Óbidos, a vila medieval mais bela de Portugal

Para quem pretende conhecer Portugal, uma visita imperdível é Óbidos, onde é possível sentir a atmosfera de uma verdadeira vila medieval, toda cercada por muralhas, onde tem um castelo incrível. Por dentro da vila, não circulam automóveis, e o passeio é todo feito a pé. Como é um lugar pequeno, meio período é suficiente para conhecer todo o seu interior.

Cerca de 80 quilômetros a partir de Lisboa, Óbidos é excelente opção de bate-volta desde a capital portuguesa. Situada no distrito de Leiria, é uma cidade de origem medieval no interior do país que encanta os visitantes com suas casas com flores na janela, situada dentro de uma grande muralha da época romana.

Com cerca de 12 mil habitantes, Óbidos é uma das joias de Portugal. Para quem quiser pernoitar na vila, há outras atrações próximas, como os mosteiros de Batalha e Alcobaça e o Santuário de Fátima.

Há quatro entradas de acesso à área amuralhada, mas a principal é a Porta da Vila, que é onde estão os degraus de acesso ao ponto mais alto da muralha, com a melhor das paisagens do lugar.

Principais atrações de Óbidos

Começando o passeio pela Porta da Vila, o visitante logo se depara com uma belíssima capela-oratório dedicada a Nossa Senhora da Piedade, padroeira da vila, adornada com azulejos do século 18 que retratam a Paixão de Cristo.

Porta da Vila - Obidos
Porta da Vila – Obidos

Na sequência, ao passar pela entrada de Óbidos, suba as escadas que vão estar do lado esquerdo. A visão lá de cima é estonteante e você vai poder apreciar toda a beleza de uma verdadeira vila medieval e também a bela paisagem natural que envolve a região.

A subida às muralhas é de livre acesso e os corajosos podem fazer todo o percurso ao redor da vila. No entanto, é preciso ter cuidado porque não há proteção para o lado interno e, em alguns lugares, a altura é superior a 10 metros.

São cerca de 1,5 km de trajeto pela muralha, onde se pode apreciar as pequenas ruas do lugar e uma vista geral da vila medieval.

Para fazer o percurso, aconselha-se não levar crianças pequenas para o alto das muralhas. Não se esqueça de portar calçados confortáveis e que ofereçam segurança.

Castelo de Óbidos

Castelo de Óbidos
Castelo de Óbidos

De origem romana, o Castelo de Óbidos é considerado uma das 7 Maravilhas de Portugal. Completamente restaurado, é um verdadeiro símbolo histórico do país, sendo hoje um dos mais belos castelos em atividade.

Atualmente, funciona um hotel em suas instalações. Fechado para visitas, uma das maneiras de conhecer o interior do castelo é fazer uma refeição no restaurante do hotel.

O castelo de Óbidos, no contexto da Reconquista cristã, ofereceu viva resistência às forças de D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal, depois de ter conquistado Santarém e Lisboa no ano de 1147.

Rua Direita, artesanato e becos floridos

Depois de percorrer as muralhas, desça e conheça a vila por dentro. A Rua Direita é o principal caminho de Óbidos, mas há muitas travessas estreitas e charmosas para se perder e apreciar suas casas casas caiadas, de riscas azuis ou amarelas, as trepadeiras verdes com flores coloridas pregadas nas fachadas, que parecem ter saído de um filme.

Ligando a Porta da Vila ao Paço dos Alcaides, a rua Direita é a principal rua de Óbidos, recheada de comércio, artesanato e história, com casinhas antigas e bons restaurantes.

Não deixe de visitar na rua Direita a livraria do Mercado Biológico, que mistura livros a legumes, verduras e frutas de produção orgânica.

Ginjinha de Óbidos

Principalmente ao logo da rua Direita, o visitante encontra muitos locais que vendem a famosa ginjinha que é servida em copos de chocolate. Isso mesmo, depois de degustar a bebida, dá para comer o vasilhame onde é servido o líquido.

A ginja é um fruto que pertence à família das cerejas, uma espécie de cereja selvagem. Da ginja se produz um licor famoso em Portugal, a ginjinha.

Acredita-se que a origem da ginjinha seja do século 16, quando um frade aproveitou as grandes quantidades do fruto para executar o refinamento dessa bebida.

O licor tipicamente português é preparado e consumido em diversas partes do país, mas somente em Óbidos é servido em copinhos de chocolate. A não perder!

Igrejas de Óbidos

Como não poderia deixar de ser, Óbidos tem também suas igrejas e capelas, sendo a mais famosa a incrível Igreja de Santa Maria, Matriz de Óbidos. Foi nessa igreja que, na metade do século 15, se casaram os primos Afonso V e Isabel, quando tinham entre 8 e 10 anos.

Igrejas de Óbidos
Igrejas de Óbidos

Vale a pena também conhecer a Capela de São Martinho, em uma travessa da Rua Direita, que é um local dedicado também a atrações culturais da cidade. Em frente a capela de São Martinho está a Igreja de São Pedro que também vale a pena visitar.

Chafariz e aqueduto

Na Praça da Igreja de Santa Maria, encontra-se o principal chafariz de Óbidos, um local que era área dos mercados de rua e de convívio da população.

O chafariz abastecia os moradores da vila com a água que chegava pelo aqueduto, que foi mandado construir pela rainha Catarina de Áustria, que casou em 1525 com o rei D. João III. Além do chafariz, na praça está o antigo pelourinho, onde os escravos eram castigados.

O aqueduto tem 3 km de extensão e é também chamado de Aqueduto da Usseira, uma freguesia de Óbidos, porque é ali que ele tem início. Quando foi criado, ele revolucionou o sistema de abastecimento de água da vila

Feirinha Medieval de Óbidos

Quem for visitar Portugal no verão, pode aproveitar para conhecer a feira medieval, que se realiza normalmente entre julho e agosto.

A ideia da feira é reviver a época da Idade Média, onde o visitante pode degustar comidas típicas e as crianças podem se vestir de guerreiros e princesas, entre outras atividades muito bacanas. O bilhete custa 7 euros e crianças até os 11 anos não pagam.

Igreja-livraria de São Tiago

Outra igreja que vale a pena conhecer é a Igreja de São Tiago, dentro das muralhas, perto da entrada para o castelo. Foi uma igreja muito importante no tempo da monarquia, mas que acabou por ser largada ao abandono, mesmo depois de reconstruída após o terremoto de 1755, que praticamente destruiu Lisboa e chegou até Óbidos.

De estilo barroco e neoclássico, o templo hoje é uma livraria desde 2013, que foi comprada por um dono lisboeta com o objetivo de tornar Óbidos uma vila literária. Há livro por todos os cantos dentro da igreja, inclusive no altar.

Óbidos, a vila das rainhas

A história da vila tem início quando os celtas se estabeleceram no local em 308 a.C. Pela região, passaram diversos povos, entre visigodos, romanos e mouros.

O nome ”Óbidos” vem do romano ópido, que significa “cidade fortificada”. Mas a Óbidos dos dias de hoje está relacionada diretamente com a história da formação de Portugal.

Foi o primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques, que tomou Óbidos dos mouros em 11 de janeiro de 1148.

No século 13, D. Dinis ofereceu a Óbidos para a rainha Santa Isabel, como presente de casamento. Na época, era costume os reis oferecerem um grupo de vilas como dote para a mulher no casamento.

Essa era uma maneira das rainhas manterem o seu sustendo caso ficassem viúvas, por exemplo, por meio da coleta de impostos.

Até 1834, praticamente todas as rainhas de Portugal tiveram Óbidos como parte de seu dote. Foram elas que empreenderam, ao longo da história, as muitas campanhas de modernização e remodelação da vila.

O aspecto atual de Óbidos é fruto de sucessivas obras de restauração, principalmente já no século 20, onde foi resgatado o seu desenho medieval.

Onde dormir em Óbidos

Dormir em Óbidos pode ser interessante para quem deseja uma experiência diferente em um roteiro de viagem em Portugal.

Apesar de ser uma vila pequena e não haver muita distração à noite, o atrativo de passar a noite em uma vila medieval é justamente a sua tranquilidade e a beleza da iluminação.

Dentro e fora das muralhas, há vários hotéis e pequenas hospedagens. Mas atenção, se você escolher dormir dentro das muralhas, não poderá chegar até o hotel com o carro, pois é proibida a circulação de carros não autorizados. Ou seja, terá que carregar as malas até a hospedagem a pé.

Dentro das muralhas, há o hotel do castelo, que faz parte do conceituado grupo Pestana, incluído nas chamadas “Pousadas de Portugal” (em Portugal, as pousadas não são hotéis simples e familiares, como no Brasil, mas sim hotéis em edifícios históricos, como conventos, palácios, castelos, etc).

Fora da vila, está a Casa do Relógio. Um lugar familiar e acolhedor. É um edifício do século 18 e, portanto, não tem elevador.

Como chegar a Óbidos

Ônibus

A viagem de ônibus até Óbidos é a mais indicada para quem não está conhecendo Portugal de carro. A viagem dura uma hora e o serviço que faz a ligação de Lisboa até lá se chama linha “Rápida Verde”.

A linha é feita pela empresa Rodoviária Oeste/Tejo e os ônibus partem diariamente a partir da parada que fica junto à estação de metrô Campo Grande, na capital portuguesa. Há saídas entre 30 minutos e 1 hora com destino a Óbidos.

Aconselha-se chegar com pelo menos meia hora de antecedência para pegar o ônibus. Se for na alta temporada, até mais, se quiser garantir um lugar no ônibus.

O ônibus deixa o visitante em frente a Porta da Vila. É do mesmo local de onde parte o ônibus de regresso a Lisboa.

Carro

A distância entre Lisboa e Óbidos é de pouco menos de 90 quilômetros. O percurso de carro a partir de Lisboa é feito pela auto-estrada A8 no sentido de Leiria. Óbidos fica antes, na saída 15. No entorno da vila há estacionamentos gratuitos, um deles junto ao aqueduto.

De carro, a sugestão é conjugar o passeio com outros lugares da região, como o Santuário de Fátima e os Mosteiros da Batalha e Alcobaça, que ficam no caminho entre Óbidos e Fátima.

Trem

Não é aconselhável esse trajeto. Por vários motivos: será necessário fazer baldeações e a viagem vai durar umas tês horas. Depois, a estação fica um pouco afastada da cidade e será preciso fazer uma boa caminhada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *